Candiota RS, Termoelétrica
Novo sistema atende reivindicações da comunidade candiotense
Dentro de uma série de ações que a prefeitura vem planejamento para melhorar o sistema de água do município, está a instalação de hidrômetros, tema que vem sendo demandado e ratificado pela população. Para atender essa iniciativa, foi criada uma comissão dentro da prefeitura que envolveu a procuradoria jurídica, setor de arrecadação e tributos, obras e saneamento para criar um projeto de lei (PL), que já está tramitando na Câmara de Vereadores.
Atualmente, a grande maioria dos consumidores ‘pagam’ a chamada taxa mínima de R$ 24 mensais, independente do consumo, além de famílias de baixa renda serem isentas ou pagarem a taxa social. Hoje Candiota consome mensalmente o dobro de água do que Pinheiro Machado (cidade com dois mil habitantes a mais), o que gera preocupação para a administração. “O objetivo é termos um sistema justo e transparente, que incentiva o consumo racional de água. O usuário só vai pagar pela água que consumir e pelo volume de esgoto gerado”, falou o prefeito Adriano Castro dos Santos.
A hidrometria visa também trazer um retorno financeiro para o município, já que são investidos em torno de R$ 2,2 milhões por ano entre pessoal, energia elétrica, produtos químicos, entre outros. O valor arrecadado pelos consumidores é de apenas R$ 670 mil, gerando um deficit de R$ 1,5 milhão, que são retirados de recursos próprios do município para manter toda estrutura.
O Secretário Geral de Governo que também responde pela Secretaria de Obras, Artêmio Parcianello, salienta que a construção deste projeto de lei, buscou atender a todas as questões que foram levantadas e solicitadas pela população durante as audiências de construção do Plano Municipal de Saneamento Básico, já aprovado pelo Legislativo, bem como em outras atividades desenvolvidas debatendo esse tema, na Câmara de Vereadores.
Novo sistema atende reivindicações da comunidade candiotense
        Dentro de uma série de ações que a prefeitura vem planejamento para melhorar o sistema de água do município, está a instalação de hidrômetros, tema que vem sendo demandado e ratificado pela população. Para atender essa iniciativa, foi criada uma comissão dentro da prefeitura que envolveu a procuradoria jurídica, setor de arrecadação e tributos, obras e saneamento para criar um projeto de lei (PL), que já está tramitando na Câmara de Vereadores.
        Atualmente, a grande maioria dos consumidores ‘pagam’ a chamada taxa mínima de R$ 24 mensais, independente do consumo, além de famílias de baixa renda serem isentas ou pagarem a taxa social. Hoje Candiota consome mensalmente o dobro de água do que Pinheiro Machado (cidade com dois mil habitantes a mais), o que gera preocupação para a administração. “O objetivo é termos um sistema justo e transparente, que incentiva o consumo racional de água. O usuário só vai pagar pela água que consumir e pelo volume de esgoto gerado”, falou o prefeito Adriano Castro dos Santos.
        A hidrometria visa também trazer um retorno financeiro para o município, já que são investidos em torno de R$ 2,2 milhões por ano entre pessoal, energia elétrica, produtos químicos, entre outros. O valor arrecadado pelos consumidores é de apenas R$ 670 mil, gerando um deficit de R$ 1,5 milhão, que são retirados de recursos próprios do município para manter toda estrutura.
        O Secretário Geral de Governo que também responde pela Secretaria de Obras, Artêmio Parcianello, salienta que a construção deste projeto de lei, buscou atender a todas as questões que foram levantadas e solicitadas pela população durante as audiências de construção do Plano Municipal de Saneamento Básico, já aprovado pelo Legislativo, bem como em outras atividades desenvolvidas debatendo esse tema, na Câmara de Vereadores.

Comentários

comentários