Em plebiscito informal, 96% dos participantes votaram pela separação do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná do resto do Brasil. Convocada pelo movimento O Sul é o meu País, a consulta à população, sem qualquer validade legal, ocorreu no último sábado (7). Ao todo, foram 364 mil participantes – a título de comparação, há 21 milhões de eleitores nos três Estados. Pouco mais de 350 mil votaram “sim” pela divisão, enquanto cerca de 13 mil pessoas opuseram-se à separação.

O número frustrou os idealizadores do Plebisul, como os organizadores chamam o “referendo”. Por conta do avanço do movimento separatista na Catalunha, na Espanha, havia expectativa de que o total de participantes ultrapassasse 1 milhão. “Acho que não houve interesse das pessoas em votar”, desabafou o coordenador-geral da consulta, Celso Deucher. O separatista também atribui a queda na participação à chuva e ao tempo gasto para que as pessoas assinassem o projeto de lei de iniciativa popular para realização de um plebiscito oficial em 2018. A proposta, que somou 326 mil assinaturas, deve ser entregue aos Legislativos dos três Estados em maio.

Na edição do Plebisul do ano passado, 617 mil pessoas votaram no plebiscito – também sem validade legal. O resultado foi similar, com 95% votando a favor da separação.  Deucher ainda se frustrou com a participação dos voluntários. Eram esperadas mais de 3 mil urnas, mas somente metade acabou instalada.  Outro imprevisto deu-se na divulgação do resultado. Devido à dificuldade de comunicação com os “presidentes de seções” de cidades do Interior, a apuração, que deveria sair no sábado à noite, foi concluída somente nesta terça-feira (10).

“Lançamos 55,93% dos municípios do estado, poderíamos ter alcançado mais se não fosse à greve dos Correios em determinas regiões onde a urna não venceu a chegar, na qual pedimos desculpas… Infelizmente não alcançamos a meta do Plebisul, mas alcançamos a meta mínima da Plip (trabalhamos com no mínimo 20% dos eleitores ate Março) e vamos cada vez mais ampliar os trabalhos a fim de chegar longe com a Plip em vigor buscando o Plebiscito Oficial Consultivo! Gostaria pra encerrar, agradecer e parabenizar a todos aqueles que tiraram um sábado pra se dedicar ao Plebisul e fazer seu trabalho voluntário! Estamos firmes na luta ate a próxima assembleia geral dia 11 de Novembro que vai ser definido o futuro do Movimento!”, finalizou João Paulo Schuch, Superintendente do Estado do Movimento O Sul É O Meu País.

Comentários

comentários